mormon.org Brasil

Oi, eu sou Shawni

  • Shawni Pothier
  • Shawni Pothier
  • Shawni Pothier
  • Shawni Pothier
  • Shawni Pothier
  • Shawni Pothier
  • Shawni Pothier
  • Shawni Pothier

Sobre mim

Sou esposa e mãe de cinco filhos: um menino seguido de quatro meninas. Ansiei a vida inteira tornar-me mãe, e aqui estou eu, bem no meio dessa tarefa. Esforço-me para ser realmente cautelosa em meu papel de mãe e defendo firmemente a alegria da maternidade. Gosto de escrever meus pensamentos e ideias em meu blog (71toes.blogspot.com). Também adoro fotografar, e embora tenha abandonado a fotografia profissional há alguns anos quando percebi que isso consumia muito do meu tempo em família, ainda adoro quando as crianças são meus modelos.

Por que sou mórmon?

Fui criada em uma família que era bem firme na fé mórmon. Tenho imensa gratidão pelos meus pais que me ensinaram a amar o Salvador e procurar fazer o que Ele faria. Sou muito grata pelos princípios nos quais acredito. Minha fé me ajudou a tomar decisões difíceis e me ajuda a sentir conectada a Deus, porque sei que Ele está perto de nós e que Se importa comigo individualmente.

Histórias Pessoais

O que é esperança e o que vocês esperam?

Aprendi muito nos últimos anos sobre esperança, desde que foi descoberto que nossa filha tinha uma rara síndrome genética. Sempre me tocou o coração ver as pessoas lidar com tristezas e doenças em relação aos filhos, mas nunca ME imaginei tendo que lidar com essas questões. Quando fizeram o diagnóstico em minha filha, senti um vazio como nunca sentira antes. Mas ao relembrar, dou-me conta da força e da união que alcançamos em nossa família por termos tido esperança no futuro. Dei-me conta de que Deus me carregou no colo nos momentos mais difíceis e que as provações nos fortalecem.

Como vivo minha fé

Frequentamos a Igreja todos os domingos, em família. Lemos as escrituras juntos todas as manhãs, antes da escola. Fazemos nossas orações em família. Todas essas coisas nos ajudam a viver nossa fé da maneira que creio que Deus espera que façamos. Elas nos lembram de estender a mão a outras pessoas e amar como Cristo nos ama. Ajudam-nos a não condenar as pessoas e a amar todos a nosso redor pelo que são.