mormon.org Brasil

O que faço para me tornar membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Igreja Mórmon)?

Resposta Oficial

Na medida em que aprender mais sobre o evangelho de Jesus Cristo, você terá sentimentos de paz, consolo ou felicidade. Algumas pessoas já expressaram ter sentido algo familiar com as verdades que aprendem e sentem como se estivessem voltando para casa. Você está sentindo a influência do Espírito Santo dizendo-lhe que o que você está aprendendo é verdade.

Se você tiver o desejo de seguir os ensinamentos de Cristo e obedecer aos Seus mandamentos, primeiro você é incentivado a participar de uma série de palestras nas quais serão apresentados os princípios básicos de Seu evangelho.

Depois, quando estiver pronto, você poderá tornar-se membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ao receber a ordenança do batismo por imersão para a remissão dos pecados por alguém que tenha autoridade que, após o batismo, impõe as mãos sobre sua cabeça, confirma-o membro da Igreja e depois profere uma bênção sobre você para que receba o dom do Espírito Santo (ver Atos 8:18–20).

Se você tem o desejo de receber uma visita de representantes da Igreja que explicarão melhor como você pode tornar-se membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Clique Aqui.

  • Fui transformado por nossa Igreja. Foi nesse lugar que percebi que já recebera muitas bênçãos do Pai Celestial. Também foi nesse lugar que aprendi a servir ao próximo. Houve vários momentos decisivos em minha vida, e filiar-me à IGREJA DE JESUS CRISTO DOS SANTOS DOS ÚLTIMOS DIAS foi o mais significativo. FOI UM PONTO DECISIVO PARA MINHA FAMÍLIA. Aprendi QUEM SOU. Antes de reunir-me com os membros da Igreja, eu achava que tudo que havia alcançado fora por causa do trabalho árduo e da sorte. Foi nesta Igreja que aprendi a compreender que o Pai Celestial tem-me abençoado por meio de Seus filhos. Foi na Igreja que aprendi que “Sou um Filho de Deus”. Minha decisão de ser batizado decorreu dos sentimentos que tive ao ler o Livro de Mórmon e do que vi individualmente nos membros da Igreja. O exemplo dos membros combinava com os princípios do evangelho. Não posso ver o Pai Celestial com meus próprios olhos, mas o exemplo deles me ajudou a ver Deus. O exemplo deles como mórmons me ajudou a compreender Deus, Jesus Cristo e o Espírito Santo. Eu tenho três histórias para contar. História 1 - A Grande Muralha A primeira vez que conheci um membro da Igreja foi em junho de 2004, na conferência mundial da HBS em Xangai. Em 21 de fevereiro de 2005, um membro da Igreja (um colega) e eu viajamos juntos pela primeira vez para a Ásia. Fomos a Xangai, Beijing, Taiwan, Hong Kong e Cingapura. Em 26 de fevereiro, sábado, fizemos uma pausa depois de quatro dias atarefados. Resolvi levá-lo para subir a Grande Muralha, comer pato à moda de Pequim no tradicional restaurante Qiamen Pequim e passear pela Cidade Proibida. Saímos do hotel por volta das 8h30 rumo à Grande Muralha. No carro, começamos nossa conversa sobre diferentes carros e depois sobre a família. Conversamos sobre Jesus Cristo e Mórmon. Continuamos nossa conversa enquanto estávamos andando e subindo na Grande Muralha, no caminho de volta para a cidade, no restaurante Qiamen Pequim e na Cidade Proibida. Enquanto ele estava falando, eu estava pensando. Ele falou sobre muitas coisas. Eu não compreendia tudo o que ele dizia, mas senti um espírito que ia e vinha. Quando voltamos ao hotel, ele me deu um exemplar do Livro de Mórmon. Comecei a folhear o livro todas as noites no hotel quando terminávamos nossas reuniões do dia. Terminamos nossa viagem em Cingapura. A caminho do aeroporto, quando ainda estava escuro pela manhã, no carro, lembrei-me de fazer uma última pergunta sobre riquezas espirituais e bens materiais. Depois que ele partiu, voltei ao hotel e liguei para minha mulher. Contei-lhe sobre aquele pequeno livro de capa vermelha e li para ela os versículos 20-23 do capítulo 10 do livro de Morôni. Contei-lhe sobre aquele membro da Igreja SUD. “Não é apenas um professor. Ele é mórmon! Preciso informar-me a respeito disso para nosso filho.” Após a viagem, numa sexta-feira, recebi um telefonema dele. Ele chegou e nos encontramos. Após a conversa de negócios, hesitante e nervoso, fiz algumas perguntas sobre Mórmon. Ele sorriu e disse: “Eu sabia que você me faria essas perguntas. Foi por isso que eu tive a impressão de que deveria vir encontrar-me com você.” Ele me convidou para sua capela naquele domingo. Foi a primeira vez que eu fui a uma igreja. Na semana seguinte, era a Conferência Geral, à qual minha esposa, meu filho e eu todos fomos. História 2 - SOU UM FILHO DE DEUS Certa noite, ele e sua esposa convidaram minha família para um jantar em sua casa para apresentar-nos ao presidente missionário e sua esposa. Ao término do jantar, a esposa do meu colega sugeriu que os quatro cantassem uma música para nós. A música foi “SOU UM FILHO DE DEUS”. Seu canto tocou meu coração. Eles não estavam cantando aquilo para nós por eles mesmos. Estavam fazendo isso por alguém! Alguém pedia que eles fizessem aquilo por nós. Sua esposa disse: Jesus Cristo é nosso Salvador e ele ama VOCÊS. A cada vez que ouço a música desse hino, a voz dela ecoa em meus ouvidos. Desde aquela época, toda noite de quinta-feira, aquelas duas famílias se revezavam para vir ensinar-nos com os missionários. A cada vez, quando eu e minha esposa abríamos a porta de casa para recebê-los, nós os víamos como representantes enviados pelo Pai Celestial. “O PAI CELESTIAL ESTÁ ENVIANDO ALGUÉM PARA NOSSA CASA.” Apesar de ler o Livro de Mórmon todas as noites e ir para as reuniões de domingo da Ala I todas as semanas, eu não conseguia entender todas as coisas que lia no Livro de Mórmon. A partir do final de maio e início de junho, achei útil ler junto com os mórmons. História 3 - A DECISÃO E O IMPACTO NA FAMÍLIA Ao obter o espírito, compreender os princípios básicos de ‘fé, esperança, caridade’, Expiação e arrependimento e vendo de perto o exemplo daquelas duas famílias, tomei uma decisão. Eu disse à minha esposa: “Deixe-me dar um passo primeiro enquanto você pensa sobre isso”. Na época em que fui batizado, eu não conseguia ver a possibilidade de que minha mulher se filiasse em qualquer época que eu pudesse prever. Ela basicamente não achava que se filiaria à Igreja. Apenas disse – quando nosso filho se juntar a você, eu irei. Eu não tinha idéia de como uma criança poderia entender as complicadas escrituras. As coisas mudaram. Certa manhã de inverno, no carro, às 5h30, eu estava levando meu filho de carro até a pista de hóquei Bridgewater para assistir a um jogo. Na rodovia 24, de repente, ele me pediu: “Papai, eu queria ser mórmon. Posso ser batizado?” “Quando posso ser batizado?” Eu disse: ‘Que tal perguntar à sua mãe?’ Fiquei surpreso, tocado e disse a mim mesmo — você vai ganhar o jogo nesta manhã. Descobri que ele ficava ouvindo nossas conversas quando os missionários estavam ensinando. Os missionários começaram a ensinar a meu filho. Ele disse aos missionários que depois que meu pai foi batizado, havia mais paz no lar. “Minha mãe e meu pai já não brigam entre si e frequência das discussões reduziu em pelo menos 50%”. Meu filho começou a montar uma tabela para indicar qual de nós iria orar nas três refeições e na hora de dormir. Ele nos fez ter disciplina para orar a cada jantar e na hora de dormir. Quando nos esquecíamos de orar, no jantar, ele se recusava a comer. Levava tudo muito a sério. Em suma, os exemplos dos mórmons nos levaram a acreditar em Jesus Cristo. A jornada para tornar-me mórmon me transformou. Dei-me conta de que tenho sido abençoado por acreditar que sou um filho de Deus. O evangelho afeta nosso modo de vida. O Pai Celestial nos deu exemplos por meio daqueles mórmons, e minha mudança foi influenciada por aqueles exemplos. Mostrar mais

Sem Resultados