mormon.org Brasil

Oi, eu sou Nnamdi

  • Nnamdi Okonkwo
  • Nnamdi Okonkwo
  • Nnamdi Okonkwo
  • Nnamdi Okonkwo
  • Nnamdi Okonkwo
  • Nnamdi Okonkwo
  • Nnamdi Okonkwo
  • Nnamdi Okonkwo

Sobre mim

Nasci no leste da Nigéria, mas agora moro na Geórgia, Estados Unidos. Sou escultor em tempo integral, e minha paixão é esculpir obras monumentais que retratam a nobreza do espírito humano. Sou casado e tenho três filhos. A maior parte da alegria que tenho está nas coisas simples da vida, como a música, a família, a natureza, os amigos, a arte e compartilhar essa alegria com os outros.

Por que sou mórmon?

Foi uma série de acontecimentos milagrosos que me levou a conhecer a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Enquanto morava em meu país de origem, a Nigéria, pedi fervorosamente a Deus em oração muitas vezes que me ajudasse a realizar meu sonho de ir para os Estados Unidos. Infelizmente, meus pais eram bem pobres, e meu pai faleceu quando eu tinha apenas 12 anos de idade, deixando minha mãe professora sozinha para cuidar de mim e de meus dois irmãos. Além disso, todos que eu conhecia tinham o mesmo sonho, o que tornava extremamente difícil para qualquer um receber um visto. Costumávamos dizer que “é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que alguém obter um visto para viajar para a América”. Então cresci até ficar com mais de dois metros de altura, e por causa da minha altura, comecei a jogar basquete. Embora desencorajado por outros por causa do meu início tardio, comecei a jogar com 17 anos e persisti com confiança, porque vi o basquete como um meio de vir para a América. Deparando-me com todos esses obstáculos, dei-me conta de que seria necessário um milagre para alcançar minhas ambições. Eu pensava em termos de milagres porque minha mãe nos ensinara a orar, e ao orar eu tinha recebido um testemunho de que Deus respondia as orações. Sabendo disso e me dando conta de que não poderia contar com nenhum tipo de recurso terreno, confiei apenas em Deus. Minhas orações e meus esforços, a princípio, não pareceram produzir os resultados desejados. Mas, então, ocorreu-me que, para ter mais certeza da ajuda de Deus, eu precisava realinhar meu modo de pensar para estar mais em sintonia com os propósitos de Deus. Senti que a forma de fazer isso era ter o desejo sincero de orar para ser levado a um lugar em que eu não só jogaria basquete, mas também aprenderia e cresceria no conhecimento de Deus. Isso me agradou muito, e acreditando que esse desejo sincero de crescimento espiritual agradaria a Deus também, minha fé que Ele iria responder as minhas orações ficou mais forte. Um pouco mais tarde, aparentemente do nada, recebi uma carta da Universidade Brigham Young do Havaí expressando seu interesse em recrutar-me para jogar basquete, e senti que aquela carta foi uma resposta direta as minhas orações. Foi mais tarde, cerca de um ano depois de chegar ao Havaí, que fiquei sabendo que um amigo de um amigo havia contatado o treinador de basquete da BYU em meu nome. Por fim, recebi os formulários necessários da BYU para conseguir um visto da embaixada americana. Os formulários, no entanto, chegaram tarde e estavam vencidos, mas, para mostrar minha fé, senti que precisava me preparar como se tivesse certeza de obter um visto de qualquer maneira. Comecei a fazer todos os preparativos necessários, que incluíam ainda a compra de uma passagem de avião para o Havaí. Então, fui para a embaixada com os documentos vencidos. Para minha consternação, fui rejeitado, e também o meu passaporte foi carimbado com uma data. Aquele carimbo datado impede a pessoa de voltar para a embaixada por seis meses depois de ter sido rejeitada. Mas eu ainda tinha um sentimento extraordinariamente sereno ao deixar a embaixada naquele dia em que achei que ficaria arrasado, mas não fiquei. A confiança que eu ainda tinha de orar deixou meus amigos perplexos, achando que eu era louco de ainda acreditar que poderia obter um visto com meu passaporte carimbado e os documentos vencidos. Alguns dias mais tarde, decidi ir à única outra embaixada dos Estados Unidos localizada a mais de 600 km de casa. Inspirado pela história de Ló no Velho Testamento de como Deus cegou os homens de Sodoma e Gomorra, comecei a orar para que os funcionários daquela embaixada distante não vissem o carimbo no meu passaporte nem as datas expiradas em meus documentos. Relembrando, os dias que se seguiram foram extremamente difíceis, mas, no final, aprendi que é o caminho difícil que leva à realização de alguns de nossos desejos mais acalentados. Minhas orações foram atendidas naquele dia 17 de janeiro de 1989, e milagrosamente recebi meu visto para viajar para os Estados Unidos. Até hoje, o significado do que Deus fez por mim continua a aumentar, e sempre que minha fé vacila relembro aquele ocorrido para obter forças e a certeza de que há um Deus que responde as orações sinceras de Seus filhos. Nesse contexto, e juntamente com os brilhantes exemplos dos amigos que fiz naqueles primeiros meses no Havaí, que eram membros da Igreja, foi mais fácil para mim levar a sério o desafio que os missionários da Igreja me fizeram de estudar o Livro de Mórmon e então perguntar a Deus se a sua mensagem vinha Dele ou não. Fiz isso, obtive a minha resposta e tomei a decisão de filiar-me à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. A propósito, eu não teria conseguido comprar a passagem de avião para o Havaí se não fosse pelo meu irmão caçula trabalhador, Onyebuchi. Infelizmente, ele faleceu 11 meses depois da minha chegada ao Havaí, e foi muito difícil para mim lidar com sua morte, mas Deus sabe tudo e permite que as coisas aconteçam por um propósito especial.

Como vivo minha fé

Tive muitas oportunidades de servir na Igreja. Embora tenha ficado aquém em muitos casos, sempre tentei dar o melhor de mim, porque tenho a forte convicção de que não é ao homem que eu sirvo, mas ao próprio Deus. Minha filosofia espiritual é a de que minha fé deve ser exemplificada e aplicada em tudo que faço, principalmente em meu relacionamento com os outros. Também sei que uma das maneiras mais importantes de viver a minha fé é por meio do trabalho que exerço na vida. Fui abençoado com talento na arte, e acredito fortemente que por meio desse talento minhas convicções espirituais também serão expressas.