mormon.org Brasil

Oi, eu sou Mike Turvey

  • Mike Turvey
  • Mike Turvey
  • Mike Turvey
  • Mike Turvey
  • Mike Turvey
  • Mike Turvey
  • Mike Turvey
  • Mike Turvey

Sobre mim

Meus maravilhosos pais foram casados por 62 anos até o falecimento de minha mãe. Tenho três irmãs maravilhosas com sobrinhos, uma sobrinha, sobrinhas-netas e sobrinhos-netos, sou casado com Sarah há 21 anos e sou pai de Dave, Zach, Warren, Jazzy e Ben. Sou um cidadão honesto e simples do interior de Wiltshire, e em minha juventude podia ser encontrado subindo em árvores e geralmente aprontando alguma traquinagem! Também entregava jornais. Frequentei a escola da vila local e depois, a Escola Secundária Moderna para Rapazes por cinco anos, onde joguei no time de futebol, fui campeão dos 800 metros por uma temporada e também joguei rúgbi. Deixei a escola aos 16 anos e fiz Aprendizagem em Engenharia Mecânica, da qual não gostava muito, mas persisti e “fiz minha parte”. Sendo um filósofo nato, senti-me desiludido com o trabalho, políticas, religião e a vida em geral e ponderei seriamente sobre o propósito da vida. Passei alguns anos viajando como caroneiro pelos Estados Unidos, África do Norte, Oriente Médio, Europa e Ásia Menor, dormindo sob as estrelas, buscando respostas e consolo para minha alma aflita, encontrando trabalho informal para me sustentar. Encontrei Jesus Cristo verdadeiramente em Israel e comecei a procurar Sua Igreja. Mais tarde encontrei dois jovens missionários em minha cidade natal, que me ensinaram os princípios do evangelho. Eu simplesmente sabia que era verdade. Ajudei a construir nossa empresa de Limpeza de Carpetes/Restauração Pós-Alagamentos e Controle de Pragas com Sarah, minha linda esposa. Realmente amo meu Salvador, minha esposa, meus filhos e minha família.

Por que sou mórmon?

Apesar de ter sido privilegiado por crescer em uma família com pais queridos e amáveis, achei que as coisas eram difíceis, provavelmente devido ao fato de passar pelo que comumente se conhece como Transtorno de Déficit de Atenção, o que pode ter-me levado a desafiar a tudo e a todos e perdido o rumo e a mim mesmo, por assim dizer. Para escapar do marasmo e da frustração, senti-me compelido a viajar para alimentar minha alma faminta e minha mente questionadora. Escrevi no muro da fábrica em graxa preta, “DEIXEM-ME SAIR DAQUI”, um pouco antes de minha viagem de caroneiro começar, em busca de um mundo novo! (meio parecido com “FormiguinhaZ”!) Finalmente eu estava LIVRE, assim pensei. Enquanto fazia muitos amigos, em todas as esferas da vida e, sem dúvida, passava por algumas experiências loucas, positivas e negativas, minha alma continuava faminta. Sou grato por saber, anos depois, que minha querida mãe olhava para a lua, todas as noites, implorando ao Pai Celestial que me ensinasse, me mantivesse seguro e me guiasse. Lembro-me de muitas coisas boas que meu pai tentou me ensinar. (Veja “Enos” no Livro de Mórmon) Minha busca pela Verdade havia começado. Ao trabalhar em Israel, encontrei-me segurando uma Bíblia e olhando para o céu, pedindo a Deus que me ajudasse em minha busca por paz e conforto e, que se houvesse uma verdade, por favor, que Ele me ajudasse a encontrá-la, isto é, se Ele existia ou se importava [comigo] o suficiente. Testifico que num instante senti como se cada palavra daquele livro penetrasse em cada molécula de meu ser. Como isso poderia ter acontecido? O que tinha acontecido? Tinha sido a influência do Espírito Santo – aprendi mais tarde! Recebi um testemunho espiritual de Jesus Cristo. Eu estava animado, humilde e, ainda confuso. E agora? Hora de me mexer (…) pegar caronas de volta para casa! Consegui meu antigo emprego de volta – “DEIXEM-ME SAIR DAQUI”, ainda estava escrito no muro! Depois de orar sinceramente por perdão e orientação, naquele mesmo dia, um membro da Igreja começou a trabalhar lá e, posteriormente, me apresentou aos missionários. O mesmo Espírito Santo me testificou que Joseph Smith era um profeta de Deus! Obrigado, Senhor, por tudo. Carpe Diem! [Aproveite o Dia!]

Como vivo minha fé

Logo depois de me filiar à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, fui ordenado sacerdote, o que me deu autoridade para participar de certas ordenanças sagradas como abençoar o sacramento semanalmente, o que é simbolicamente a última ceia de Jesus Cristo antes de seu sofrimento e crucificação, e também a autoridade de batizar novos membros. Sempre considerei isso como um maravilhoso e humilde privilégio. Apesar de eu nunca ter ido à universidade, ter uma formação em religião ou ser um especialista em estudo bíblico, descobri que minha vida tinha significado e propósito inspirado pelo fato de o Apóstolo Pedro ser apenas um pescador, quando Jesus disse: “Vem, e segue-me”. Somos chamados a servir em cargos na Igreja por inspiração divina. Os chamados nos dão a oportunidade de crescer, aprender e amar as pessoas a quem servimos. Uma vez que não há remuneração para o clero na Igreja, muitas vezes um pouco de sacrifício é requerido [de nós] já que a vida é muito cheia de compromissos, mas quando coloco o trabalho de Deus em primeiro lugar, parece que tenho mais tempo de fazer as demais coisas e as bênçãos são maiores do que o dinheiro pode comprar, em meu ponto de vista. Sou líder dos jovens em nossa unidade e ensino e ajudo os rapazes entre 12 e 18 anos de idade a construir um caráter moral forte, edificar a fé em Deus e a amar e servir a outros. Tenho muita ajuda e apoio de meu assistente chamado Ieuan, que serviu missão no Japão e estava lá quando o terremoto ocorreu e ajudou na ocasião. É um rapaz muito bom e está ensinando meu filho mais novo, Ben, frases em japonês e a cultura que ele ama, que são os Mangás!Nosso bispo é divertido! Ele comprou um velho triciclo de 175 cilindradas que estamos consertando. Jogamos muito futebol, acampamos, fazemos rapel, canoagem, atiramos em alvos, comemos pizza, praticamos sobrevivência e jardinagem com os idosos. Gostamos muito disso! Também fui designado para visitar três famílias com outro irmão, levando mensalmente uma mensagem de amor, apoio e ajuda prática quando necessário. Além disso, temos trabalhado em muitos projetos de caridade todos esses anos. É muito bom!