mormon.org Brasil
Caroline Rodrigues: Mórmon.

Oi, eu sou Caroline Rodrigues

Sobre mim

Gosto muito de ler, escrever, ir ao cinema, ouvir música, acampar, fotografar e viajar. Adoro conhecer novas culturas e aprender diferentes idiomas. Cursei Enfermagem antes de começar a faculdade de Medicina e provavelmente me especializarei em Pediatria (sou apaixonada por crianças 3). Há cerca de um ano trabalho voluntariamente como Doula e Educadora Perinatal.

Por que sou mórmon?

Cresci em uma família católica, sem jamais sentir familiaridade com a religião, e na adolescência passei a buscar algum lugar que me fizesse sentir "em casa", sempre orando ao Pai Celestial para que me guiasse. Meu testemunho sobre A Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias veio antes mesmo de eu saber sobre a Igreja em si ou sobre o Evangelho, de uma forma extraordinária e inesperada. Sou mórmon porque, em 1820, um garoto de apenas 14 anos, após ler Tiago 1:5, humildemente pôs-se de joelhos e orou fervorosamente ao Senhor para saber a qual igreja deveria se filiar e, então, recebeu a revelação que mudaria a sua vida (e possibilitaria a mudança de nossas vidas) para sempre. Sou mórmon porque creio no amor de Deus, porque tenho Cristo como meu Salvador e Redentor, porque acredito nas palavras dos profetas. Sou mórmon porque, ao receber a revelação que tanto busquei, orei pela confirmação e o Senhor, em Sua infinita bondade, por meio do Espírito Santo, me concedeu um testemunho.

Como vivo minha fé

Acredito que nós, Santos dos Últimos Dias, temos algo de especial, uma luz diferente que vem da vivência do Evangelho e da obediência ao Senhor. Na maior parte do tempo, estou num meio em que não há mais nenhum membro da igreja além de mim, por isso busco sempre ser exemplo por meio das minhas ações. Estudo diariamente as escrituras e oro ao Pai Celestial - pedindo Sua orientação e reconhecendo Sua mão generosa "em todos os momentos, em todos os lugares e em todas as coisas". Como Doula e Educadora Perinatal voluntária, auxilio mulheres a terem uma boa experiência durante suas gestações, partos e puerpérios. Participo, também voluntariamente, de uma Associação de Apoio à Adoção e sou membro da Cruz Vermelha brasileira. Espero um dia, como médica, poder servir como instrumento de Deus para com meus pacientes.