mormon.org Brasil
Cleumar da Silva Moreira: Mórmon.

Oi, eu sou Cleumar da Silva Moreira

Sobre mim

Sou pai de três lindas filhas e tenho uma esposa selada a mim no Templo de Recife, Brasil. Sou professor e tenho procurado viver o Evangelho diariamente. Estudo as Escrituras diariamente pessoalmente e com minha família. O Evangelho tem sido uma grande bênção em minha vida, desde meu batismo em 2001. O Livro de Mórmon mudou minha vida e tem me tornado melhor a cada dia. Gosto muito de estar com minha família e de frequentar o Templo. Sinto-me em casa quando estou no Templo. Gosto também de música e isso tem sido propagado para minhas filhas. Elas só dormem ouvindo os hinos da Igreja. Gosto muito também de fazer amizades e falar-lhes a respeito de minhas crenças e o quanto o Evangelho é maravilhoso, que o Salvador vive e que devemos confiar sempre Nele. Também gosto muito de estudar e isso é um hábito desde minha tenra infância. Aprecio muito bons filmes e gosto de assistir desenhos animados com minhas filhas. Eu amo minha família.

Por que sou mórmon?

Conheci o Evangelho numa época de muita confusão em minha vida. Era o mês de março e havia naquele passado o Ano Novo sozinho, sem a presença de meus familiares. Numa festa de comemoração do fim de um curso de pós-graduação, conheci uma moça e ela tinha algo diferente que me chamou muito a atenção. Liguei para ela no dia seguinte (era um Sábado) e ela me convidou para ir à sua Igreja. Eu aceitei e impressionei-me com a alegria dos membros da ala e algo em meu coração dizia que eu precisava conhecer mais. Na verdade, essa minha amiga deu-me vários livros da Igreja. Eu havia mudado para outra cidade, mas sempre mantive contato com essa amiga. Sua fé e testemunho chamaram-me atenção e eu decidi procurar os missionários. Já era o mês de Abril. Liguei para o Escritório da Missão e pedi que os missionários viessem a minha casa ensinar-me. Todavia eles não vieram e estava querendo desistir essa busca. Mas minha amiga sempre incentivou-me e resolvi ligar mais uma vez. Dessa vez, os missionários apareceram e depois de duas semanas batizei-me na Igreja. Isso não foi aceito por minha família, mas eu tinha obtido um testemunho e foi na primeira visita quando os Élderes visitaram-me. Eles desafiaram-me a ler alguns trechos do Livro de Mórmon e depois perguntar ao Pai Celeste se aquelas coisas não eram verdadeiras. Tive um cálido e forte sentimento de que minha oração do início daquele ano havia sido atendida. Eu havia orado ao Senhor para eu pudesse mudar minha vida. E realmente eu mudei muito. Tive o desejo de servir missão, mas já tinha ultrapassado a idade. Então resolvi seguir os conselhos de minha esposa e orei ao Pai para que encontrasse uma moça que eu pudesse levar ao Templo. Após 9 meses de meu batismo conheci uma moça, recém-chegada da missão. Foi como dizem, amor à primeira vista. Casamo-nos e temos hoje uma família linda. Ser mórmon é ser feliz. Amo o Evangelho e meu grande amigo, o Senhor Jesus Cristo e meu Pai Celeste. Hoje entendo a felicidade de minha amiga.

Como vivo minha fé

Na Igreja, o serviço é uma constante e na verdade sigo o exemplo do Mestre. Há capelas da Igreja em vários locais e elas são lugares sagrados, assim como são nossos lares. Procuro manter em meu lar um ambiente de paz e amor. Isso decorre do nosso esforço em cumprir o que dizem as Escrituras e nossos líderes. Sou responsável em visitar famílias de minha ala e isso contempla sacrifício, devoção e comprometimento. Considero sagrado a responsabilidade de ajudar algumas famílias de minha ala e sinto-me responsável em ajudá-las na busca de viverem sua fé em plenitude. Sou líder de homens e procuro ensiná-los a respeito de nossas famílias, dos mandamentos e daquilo que devemos fazer para sermos verdadeiros Cristãos. Também aprecio o trabalho de genealogia da Igreja e realizo com minha família o trabalho de indexação, que é uma atividade importante e que permite reduzir tempo na busca de nossos antepassados. Minhas filhas são crianças e já realizam esse trabalho. Elas gostam bastante. Procuramos sempre falar para as pessoas que nos cercam em que acreditamos e procuramos ser uma Luz para o mundo.