mormon.org Brasil

Oi, eu sou Lisa

  • Lisa Adachi
  • Lisa Adachi
  • Lisa Adachi
  • Lisa Adachi
  • Lisa Adachi
  • Lisa Adachi
  • Lisa Adachi
  • Lisa Adachi

Sobre mim

Acho que você poderia dizer que sou uma típica estudante asiática. Tiro notas incríveis, fico descalço em casa e como com pauzinhos. Mas, se você perguntar a alguns de meus amigos, eles diriam que sou tudo menos típica. Sou apaixonada por uma organização prestadora de serviços chamada Operação Sorriso. Nos últimos dois anos, dediquei mais de 1.100 horas de serviço para apoiar essa causa. Meu trabalho por intermédio dessa organização me proporcionou muito amor e muita perspectiva na vida. Juntamente com o evangelho de Cristo, posso dizer realmente que ela me influenciou mais do que qualquer outra coisa. Isso incutiu em mim a paixão por servir e me fez saber que tenho mais alegria quando estou ajudando os outros. Estou no último ano do Ensino Médio, fazendo tudo para me sair bem na escola. Em breve, estarei na faculdade, e mal posso esperar para enfrentar esses novos desafios e essas experiências pessoais. Tenho pavor de qualquer coisa com penas, gosto muito de liderar e sou fã do canal Food Network na TV. A primeira coisa que fiz assim que atingi a maioridade foi criar um perfil em Mormon.org. Estou no terceiro ano do Ensino Médio, sou humanitária, quero ser jornalista e sou mórmon.

Por que sou mórmon?

Fui batizada quando tinha 14 anos, estando apenas na oitava série na escola. Sou mórmon porque antes de vir para esta Terra concordei com o Pai Celestial em fazer tudo o que pudesse para voltar à presença Dele. Sei que, por meio de Seu eterno evangelho da verdade, poderei ser exaltada em glória eterna — é o único modo. Sou mórmon porque nada nesta vida me dá mais felicidade do que as pessoas, os amigos, as oportunidades, o testemunho e as bênçãos que vivenciei graças à Igreja. Posso sinceramente dizer que nada me dá mais alegria e paz quando estou deprimida do que as coisas que encontro por meio desta Igreja. As pessoas que me cercam são meu maior apoio, as escrituras (que incluem o Livro de Mórmon, a Bíblia, Doutrina e Convênios e muitos outros) me fornecem respostas divinas e conhecimento de que tudo funciona exatamente como deveria e que as provações são bênçãos. Sinto-me grata por ter o conhecimento da vida eterna e do casamento eterno. Especialmente durante o Ensino Médio, aprendi que seria quase impossível levar a vida sem a Igreja nela. Vivemos numa época difícil e definitivamente desafiadora. Há tantas expectativas e pressões até de nossos melhores amigos para que nos desviemos do caminho da verdade e da retidão. Embora eu tenha feito algumas escolhas erradas, sei que posso me arrepender e encontrar respostas por meio do Pai Celestial. Ele não está ansioso por me castigar, mas me dá provações para meu benefício que Ele sabe que posso e que irei vencer. Esses são apenas alguns dos motivos pelos quais sou mórmon. Por meio do Espírito Santo, foi confirmado para mim que somente por meio de Seu plano posso realmente atingir meu verdadeiro e completo potencial. Amo o evangelho de todo o coração, e devo a ele quem sou e em quem vou me tornar.

Histórias Pessoais

Compartilhe seus sentimentos sobre a Restauração do Evangelho ou compartilhe seu testemunho dela.

“Porque eu sei que Ele vive…” foi-me dada essa inspiração no Seminário (um curso que faço fora da escola nos dias letivos com alunos da minha idade para aprender, crescer e ensinar). Era difícil responder a essa pergunta sem negar isso. Inverti a pergunta e disse: “Se eu soubesse que Ele não existe…” Se eu SOUBESSE que Ele não vivera e SOUBESSE que o evangelho não fora restaurado na Terra, se soubesse essas coisas com um testemunho firme e com convicção, sei que teria bem poucos motivos pelos quais me esforçar. Sei que não seria tão forte quanto sou hoje. Sei que me sentiria solitária, e que, nos momentos de desespero, eu me sentiria debilitada, deprimida e sem esperança. Sei que não me importaria em amar e servir, e sei que não me esforçaria para alcançar as melhores coisas da vida. Se eu soubesse que o Plano de Salvação não é real, sei que me sentiria esmagada pela noção de que não estaria com as pessoas que amo na vida futura. Se eu acreditasse que o casamento e a família não podem ser eternos, ficaria na mais profunda tristeza. Se eu soubesse que não havia ninguém a quem eu poderia recorrer para ajudar-me em todos os aspectos de minha vida, se eu soubesse que não havia ninguém que conhecesse todas as minhas preocupações e ouvisse todas as minhas orações… Minha vida não teria sentido. Seria dolorosa. Seria vazia. Seria fragmentada. Felizmente, sei do fundo do coração, da mente e com toda a minha força que tenho um amoroso Pai Celestial que deseja que eu volte à presença Dele. Sei que sou uma forte, escolhida e eleita filha que teve a bênção de vir à Terra nesta época para um propósito especial e divino. Sei que minha família pode estar unida para sempre para toda a eternidade e que viveremos felizes para sempre. Sei que há alguém que me ama mais do que é possível compreender e que ama você também da mesma forma. Sei que se eu fosse a única pessoa neste mundo, Ele ainda teria vivido e morrido exclusivamente para mim. Sei que tudo acontece por um motivo, e que as provações são perfeitamente moldadas para nós individualmente. Sei que o melhor ainda está por vir e que posso fazer todas as coisas com Ele e por intermédio Dele. Não apenas algumas coisas, mas TODAS as coisas. Sei essas coisas, porque sei que Ele vive.

Por que os mórmons saem em missão?

O trabalho missionário é uma das principais maneiras pelas quais os filhos do Senhor se achegam novamente a Ele. Cremos que todos conheceram e adoraram Deus no céu. Os missionários são enviados para missões espalhadas pelo mundo inteiro para ajudar a divulgar o evangelho e a lembrar todos os Seus filhos dos convênios que fizeram com Ele. Não é exigido que todos os membros sirvam como missionários da Igreja, contudo é pedido que todos os que são dignos sacrifiquem dois anos a serviço de seu Deus. Muitos amigos meus me perguntam por que esses jovens em idade universitária não dão prioridade aos estudos ou ao trabalho antes de servir como missionários. Para responder a essa pergunta, gostaria de começar dizendo que a formação educacional é altamente valorizada e incentivada na Igreja. Em uma de nossas escrituras sagradas, lemos: “Qualquer princípio de inteligência que alcançarmos nesta vida, surgirá conosco na ressurreição. E se nesta vida uma pessoa, por sua diligência e obediência, adquirir mais conhecimento e inteligência do que outra, ela terá tanto mais vantagem no mundo futuro”. Embora isso se aplique muito ao conhecimento secular, acreditamos que a aquisição de conhecimento espiritual é igualmente importante, ou até mais. Embora doar dois anos para servir uma missão seja um sacrifício no tocante aos estudos, acredito que as bênçãos e o mandamento do Senhor de pregar Seu evangelho a todos os confins da terra é uma prioridade definida. As bênçãos que recebemos por causa do serviço missionário (trabalho em equipe, gerenciamento do tempo, motivação, serviço) só ajudam a desenvolver e promover a formação educacional secular. “Nos melhores livros buscai palavras de sabedoria; procurai conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé” (D&C 88:118). Há um lugar especial dentro do meu coração para os missionários, porque fui beneficiária direta do trabalho deles. Sei como aqueles jovens élderes e sísteres influenciam a vida de inúmeras pessoas, e vivenciei pessoalmente a alegria e a mudança de vida que eles proporcionam para as pessoas, sua família e sua posteridade. Apoio os missionários escrevendo cartas de incentivo, divulgando o evangelho online e compartilhando referências.

Como vivo minha fé

Atualmente tenho dois chamados na Igreja. Faço parte do conselho de jovens da estaca, que planeja e realiza eventos para todos os jovens da estaca. Em segundo lugar, sou líder de todas as moças da minha ala, com idades entre 12 e 18 anos. A ala é uma unidade geográfica que agrupa todos os membros que frequentam a Igreja. Lidero reuniões, ajudo a planejar atividades divertidas e inspiradoras e auxilio essas moças inspiradoras a crescer e a desenvolver o que chamamos de “Valores das Moças” que incluem Fé, Conhecimento, Boas Obras, Integridade e Virtude, entre outras coisas. Os dois chamados abençoaram e enriqueceram profundamente minha vida. O tempo e esforço que dedico a cada chamado foram multiplicados centenas de vezes pelo que isso me ensinou e incutiu em mim. Também vivo minha fé indo à Igreja, pagando um dízimo de 10% e servindo o máximo que posso. Procuro viver o que sei e o que aprendi.