mormon.org Brasil

Oi, eu sou Julie

  • Julie McGurk
  • Julie McGurk
  • Julie McGurk
  • Julie McGurk
  • Julie McGurk
  • Julie McGurk
  • Julie McGurk
  • Julie McGurk

Sobre mim

Tenho 51 anos e trabalho numa rádio desde os 19. Faço isso porque frequentei uma escola de comércio quando tinha 18. O curso de comércio durou nove meses e me proporcionou uma profissão que exerço há mais de 30 anos. Sou casada e tenho dois filhos. Eu queria ter tido mais, mas meu marido e eu começamos a ter filhos um pouco tarde e sentimos que estávamos ficando um pouco velhos para isso. Mas eu adoro crianças. Adoro observá-las, conversar com elas e ver como elas reagem aos problemas que surgem. Acho que podemos aprender muito observando as crianças com atenção.

Por que sou mórmon?

Sou mórmon porque é um jeito maravilhoso de viver. Tudo bem, estou generalizando demais, mas pense no seguinte: Quando eu era criança, não fui educada formalmente em nenhuma religião. Meus pais nos amavam, mas não queriam seguir a disciplina de uma vida religiosa. Por causa disso, eles acabaram adotando hábitos muito ruins e eu ficava imaginando se todas as famílias eram caóticas como a nossa. Depois de perguntar por que uma amiga minha ia a algo chamado catecismo toda quarta-feira, minha mãe explicou que era por causa da religião dela. Perguntei qual era minha religião. Ela disse: “Você é mórmon”. Eu não tinha ideia do que era isso. Nunca tinha participado de uma reunião, muito menos tinha sido batizada na Igreja. Depois de fazer mais perguntas, minha mãe decidiu me apresentar aos missionários, para que eles me ensinassem a respeito do que eu acreditava. Desde o primeiro momento em que aqueles dois rapazes entraram na sala, eu sabia que havia uma maneira diferente de viver. A mensagem deles foi como uma corda salva-vidas no meio de um mar frequentemente tempestuoso. Aprendi que o Pai Celestial me ama, que Ele tem um plano para mim e para minha família. Foi algo que eu nunca tinha sequer considerado até ouvir a mensagem que os missionários trouxeram. O interessante dessa história é que meus pais também se agarraram a essa corda salva-vidas. Toda a nossa família mudou. As coisas ficaram mais tranquilas e tinham um propósito. O caos ficou no passado. Descobri que essa religião é um modo de vida, não é somente algo que você faz aos domingos. Pode fazer de você uma pessoa melhor de segunda de manhã até sábado à noite, mais do que qualquer outra coisa que eu conheça.

Como vivo minha fé

Tenho dado aulas para os jovens durante todo o período da minha vida adulta. Adoro isso. Adoro crianças e poder conversar com elas a respeito do plano do Pai Celestial é a experiência mais gratificante que já tive.