mormon.org Brasil

Oi, eu sou Irene

  • Irene Monterroso
  • Irene Monterroso
  • Irene Monterroso
  • Irene Monterroso
  • Irene Monterroso
  • Irene Monterroso
  • Irene Monterroso
  • Irene Monterroso

Sobre mim

Sou esposa e mãe. De todos os papéis em minha vida, sinto que esses dois são os mais importantes. Adoro estar com minha família, meus pais e meus irmãos; fazer atividades familiares juntos e ficar em casa. Gosto de saber que minha casa é um lar onde sinto o amor de outras pessoas e de meu Pai Celestial. A música é uma parte importante da minha vida. Não é só uma profissão, é algo que amo. Sinto-me abençoada por poder trabalhar com algo que me dá tanta satisfação. Todo dia pratico músicas muito bonitas com a Orquestra Sinfônica Nacional. Estou em contato com um mundo maior que é repleto de emoções, histórias do passado e pessoas que vivem agora e que viveram há muito tempo. Agora que estou grávida, posso partilhar desse mundo especial com o bebê! Sou grata por ter um marido que me apóia em todos os sentidos. Também me sinto feliz com a garota especial que o Senhor nos enviou. Adoro aprender com ela, fazer atividades interessantes juntas, ensiná-la a tocar violino e levá-la às aulas de piano. Bem, como ela é hiperativa, tudo o que me resta fazer é segui-la em seu ritmo cheio de energia! Já que moro em um país com cenários e paisagens lindas, tenho uma forte ligação e respeito pela natureza Ler, visitar belos lugares em nosso país, fazer exercícios e meditar (por alguns minutos devido à vida atarefada que tenho) ocupam o resto de meu tempo.

Por que sou mórmon?

Minhas crenças e a vida que tenho na Igreja são muito importantes para mim. Agora que tenho uma família sob minha responsabilidade, valorizo muito mais o conhecimento que tenho da vida aqui na Terra, de onde vim e para onde vou. A perspectiva maior de meu propósito na vida me ajuda a me mover em direção a prioridades bem definidas. Sinto grande alegria por saber que minha família, como todas as famílias, tem o potencial de tornar-se eterna e viver com o Pai Celestial para sempre. Isso a torna a coisa mais importante de minha vida. Se minha família não pudesse estar comigo na eternidade, nada mais importaria — nem a fama, o dinheiro ou o sucesso profissional. Nossa vida na Terra precisa ser direcionada a aumentar nosso amor pelos outros. Que melhor maneira existe para começar do que com aqueles que estão próximos a nós? Saber o que o Pai Celestial fez por nós ao mostrar Seu grande amor por meio de Seu Filho, Jesus Cristo, me enche de profundos sentimentos de humildade e gratidão. É um presente que eu não posso retribuir. Eu posso, contudo, tentar viver de modo a ser digna Dele. Sou grata por Seu evangelho em minha vida e por tudo o que sou capaz de aprender. O evangelho me consola pois sei que sou filha de Deus e que posso ouvir Seu conselho sábio para orientar minha vida e a da minha família ao passar pela experiência mortal. Sinto-me abençoada por poder me comunicar com nosso Pai por meio da oração. Agradeço por Jesus Cristo ser meu Amigo, apesar de eu ser aquela que sempre O desaponta e se afasta Dele. Sei que Ele é paciente comigo e que espera por mim para que possamos continuar juntos. Sou grata por Ele me deixar andar a Seu lado e com frequência me carregar nos braços.

Como vivo minha fé

Aos domingos, na Igreja, sou professora do berçário. O berçário é uma classe de crianças entre 18 meses e três anos de idade. Minha filha faz parte desse grupo. Temos aulas muito ternas e especiais. Elas escutam com atenção, como se lembrassem de algo que viveram no céu há não muito tempo. Eu também gosto muito de visitar outras mulheres a quem chamamos de irmãs da Igreja. É maravilhoso ver como pode haver mulheres tão especiais dentro da Igreja e ainda assim todas aprendemos muito umas com as outras. Nós recebemos e damos consolo. Adoro ir à Igreja nas atividades da semana. Ir com a família me lembra de quando era criança e costumava ir com meus pais e irmãos. Eram tempos felizes. Nós também vamos ao templo, que é um lugar diferente de uma capela. No templo fazemos convênios sagrados e pessoais com Deus. Sinto muita paz nesse lugar sagrado. Chego com muitas preocupações e saio confortada. Acima de tudo, sempre me lembro de quem eu sou e oro por inspiração para guiar minha vida e a da minha família. Tenho boas lembranças de quando eu servia como oficiante do templo antes de ter filhos. E meu conhecimento musical me ajuda a colaborar com a Igreja. Toco os hinos durante os serviços dominicais junto com minha irmã, que toca clarinete. Também dirijo o coro que é repleto de irmãos e irmãs muito devotados. O coro não é composto de cantores profissionais, nem eu sou uma regente profissional. Toco viola muito bem, mas reger é algo bem diferente! É um coro cheio de pessoas admiráveis com o desejo de abrir o coração e adorar o Senhor. Nós trabalhamos muito e sempre fico impressionada de como tudo dá certo quando o coro canta nas reuniões da Igreja. É como se o Senhor soprasse sobre nós e fizesse com que tudo soasse bonito. Como musicista profissional, algumas vezes não entendo como isso acontece. Como filha de Deus, sei que esses pequenos milagres acontecem em nossa vida.