mormon.org Brasil

Oi, eu sou Emily

  • Aaron and Emily Sherinian
  • Aaron and Emily Sherinian
  • Aaron and Emily Sherinian
  • Aaron and Emily Sherinian
  • Aaron and Emily Sherinian
  • Aaron and Emily Sherinian
  • Aaron and Emily Sherinian
  • Aaron and Emily Sherinian

Sobre mim

Faço mil coisas, como a maioria das mulheres! Meu principal papel no momento é o de esposa, mãe e profissional de saúde pública, entre outras coisas. Quando não estou trabalhando, geralmente estou com meus três filhinhos (esportes, escola, creche, pré-escola, aulas de música, etc.), tentando manter a casa limpa, servindo voluntariamente na Igreja ou procurando um momento para estar com meu marido. Adoro ler, cozinhar, correr e encontrar-me com minhas amigas. Nunca há um momento de tédio em casa, principalmente porque meu marido e eu trabalhamos no exterior e sempre estamos viajando de avião. Nossa família morou no exterior em grande parte dos últimos anos, e foi enriquecedor, emocionante e inigualável para nós poder compreender e amar muitos outros países e outras culturas. O trabalho de melhorar a vida das pessoas menos afortunadas do mundo é uma missão pessoal e profissional para nós dois, e procuramos ajudar nossos filhos a compreender que as pessoas do mundo inteiro são semelhantes a nós em muitos aspectos e que todos temos basicamente as mesmas necessidades e os mesmos anseios. No meio de todas as atividades “obrigatórias” da vida (que às vezes parecem pesadas demais!), tentamos encaixar coisas divertidas que adoramos fazer juntos: panquecas nas manhãs de sábado, uma visita a nosso museu favorito, um passeio de metrô, piqueniques no quintal, um dia na praia ou um sorvete de casquinha.

Por que sou mórmon?

Alguns podem dizer que sou mórmon porque fui criada como mórmon, mas essa não é a história completa. Acho que toda pessoa chega a um ponto na vida em que tem de decidir por si mesma no que ela crê e como vai conduzir sua vida e criar sua própria família. Eu diria que isso não aconteceu em um único momento em minha vida, mas foi um processo gradual, ao longo do Ensino Médio, da faculdade e do início da vida adulta. Meus pais sempre nos incentivaram a desenvolver nosso próprio conhecimento e nossa compreensão do Pai Celestial e de Seus ensinamentos, e nos ensinaram como fazer isso. Essas ferramentas que meus pais e professores da Igreja nos ensinaram incluem: a oração (perguntar a Deus se o que estamos fazendo está certo), o estudo das escrituras (para saber sobre o que estamos perguntando) e a aplicação prática dos princípios do evangelho que nos foram ensinados (mostrando ao Pai Celestial que estamos dispostos a fazer nossa parte). Quando fazemos o que é certo, o Pai Celestial nos faz saber disso. Ser mórmon praticante é um compromisso que levo muito a sério e que exige tempo e esforço. Não estou seguindo minha vida com base no que meus pais me “disseram” quando eu era criança. Sou mórmon porque acredito que esses princípios do evangelho são verdadeiros. Esses princípios orientadores exigem esforço, mas proporcionam alegria e felicidade, não apenas imediatas, mas em longo prazo.

Histórias Pessoais

O que o ajudou a ter mais harmonia em seu lar?

Tendo uma agenda lotada como pais de três filhos pequenos, nossa família agradece toda a ajuda que recebemos para edificar a harmonia no lar! Nossa melhor dica: reservamos a noite da segunda-feira para uma noite em família, e isso teve um grande impacto em nossa vida. Os mórmons geralmente chamam essa ocasião de “noite familiar” e somos incentivados a realizá-la todas as semanas. Durante a noite familiar, geralmente passamos alguns minutos abordando questões logísticas, assuntos familiares, a agenda ou os eventos especiais da semana. Depois, temos uma breve lição ou atividade, dentre muitas opções. Às vezes contamos uma história favorita das escrituras (Daniel na cova dos leões é sempre a campeã, inclusive com efeitos sonoros e interpretações dramáticas) e falamos sobre o que aprendemos com o relato. Em outras ocasiões, fazemos biscoitos para nossos vizinhos, disputamos um jogo, fazemos sundaes ou conversamos sobre como resolver um problema, diminuir as brigas e compartilhar os brinquedos (isso vale tanto para os adultos como para as crianças). Geralmente cantamos alguns hinos, fazemos uma atividade divertida e servimos algo para comer no final. Os resultados têm sido muito bons! Fazendo a noite familiar todas as semanas, ficamos mais unidos como família, melhoramos nossa comunicação, temos tido menos brigas e mais expressões de amor, e sentimos um clima mais harmonioso e unido em casa. Nossos filhos esperam ansiosos pela noite familiar a cada semana, e nós os envolvemos no planejamento e na execução dessas atividades. Nosso lar é um lugar mais feliz por causa da noite familiar!

Como vivo minha fé

Procuro viver ativamente a minha religião. Por experiência própria, sei que quanto mais proativa e comprometida sou ao participar e servir na Igreja e na comunidade, mais comprometida e feliz me sinto, e quanto mais sinto isso, mais progrido na vida. É por meio do serviço e da aplicação prática de minhas crenças que sinto que me torno uma pessoa melhor, e uma melhor cristã: mais perto do que Jesus Cristo quer que eu seja. Neste momento, estou muito envolvida com o grupo de mulheres de nossa Igreja. Trabalho como voluntária na liderança desse grupo (somos mais de 100 mulheres) com três outras mulheres de minha congregação, e simplesmente adoro trabalhar com elas! Organizamos e damos aulas e palestras todos os domingos na Igreja, cuidando para que as mulheres e famílias de nossa congregação estejam passando bem, do ponto de vista físico, emocional e espiritual. Há um excelente programa em nossa Igreja, no qual as mulheres formam duplas e visitam algumas mulheres a cada mês, para deixar uma breve mensagem espiritual e ver como estão. Como muitas pessoas desta região não têm familiares próximos, esse programa cria uma rede de amizades indispensável e pessoalmente me fortalece muito. Eu e minha família fomos abençoados e enriquecidos pelo convívio com essas mulheres que, de outra forma, talvez eu jamais viesse a conhecer. Em nosso grupo de mulheres, também planejamos e implementamos muitas atividades e muitos eventos para conhecer-nos melhor, identificar e atender as necessidades de nossas famílias e de nossa comunidade, e aprender novos talentos e aptidões. Alguns exemplos recentes: organizamos um seminário sobre nutrição e exercícios com uma nutricionista, planejamos uma atividade de serviço comunitário em que fizemos cobertores para bebês e kits para mães de recém-nascidos, doamos esses materiais para uma maternidade pública local, e também elaboramos a aula de domingo sobre o poder da oração em nossa vida. Na verdade, a oração é um dos meios mais importantes pelos quais vivo minha religião. É um princípio simples, mas a oração é algo que qualquer pessoa pode fazer a qualquer momento. Creio que Deus ouve e responde a nossas orações, e vejo que quanto mais comprometida estou em viver minha religião, mais reconheço as respostas a minhas orações em minha vida diária. Deus geralmente responde a minhas orações por intermédio de outras pessoas que se esforçam por viver sua religião! Não há coincidências, a meu ver.