mormon.org Brasil

Oi, eu sou Anne!

  • Anne Rowe
  • Anne Rowe
  • Anne Rowe
  • Anne Rowe
  • Anne Rowe
  • Anne Rowe

Sobre mim

Sou uma mulher casada e feliz, mãe de cinco e avó de dois. Trabalho em tempo integral em uma escola fundamental para crianças com necessidades especiais e adoro isso. As crianças têm muito a nos ensinar. Algumas das coisas que mais gosto de fazer são: sair com meu marido, ler antigos clássicos e cantar. Canto num grande coro local de 150 vozes. Amo minha família, e meu feriado favorito é o Dia de Ação de Graças.

Por que sou mórmon?

Sou mórmon porque tudo o que aprendi sobre a doutrina mórmon soa como verdade para mim. As pessoas geralmente podem dizer quando algo é bom para elas, e é assim para mim. Sou mórmon porque li o Livro de Mórmon e o estudei. Orei para saber se era verdadeiro. Deus ouviu minhas orações e fez-me saber no coração e na mente que o evangelho é a verdade do mundo.

Histórias Pessoais

Poderia falar um pouco sobre seu batismo?

Se você é como eu, fingia ser uma princesa, quando era pequena. Pode ser que tenha colocado um vestido lindo, uma coroa na cabeça, um cetro na mão e passeado em volta da sala, sentindo-se magnífica. É divertido! Você se lembra do sentimento. Fui batizada quando tinha oito anos. Ainda lembro como foi, porque recordo o que senti. Eu estava vestida de branco, sentada em um banco ao lado de meu pai na capela de nossa igreja. Meu pai também estava de branco, porque ele me levou para as águas para realizar o meu batismo. Eu estava prestes a ter meus pecados lavados e tinha certeza (em minha mente de oito anos) de que o próprio Deus estava olhando lá do céu para mim naquele dia. Eu tinha certeza de que Ele podia me ver e que estava orgulhoso de mim. Senti-me bem em pensar assim. Você pode se perguntar com que pecados uma menina de oito anos tem que se preocupar. Mas eu havia aprendido toda a minha vida que era responsável por meus próprios pensamentos e ações. Ensinaram-me que os atos ofensivos ou impensados eram pequenos passos no caminho que conduz à estrada errada. Creio que o batismo é o primeiro passo para voltarmos a viver com Deus, quando esta vida terminar. Aprendi a esperar o melhor de mim mesma e a tentar sempre me elevar ao máximo interiormente, dando o melhor de mim. Todos cometem erros. O caminho para a felicidade e para uma versão melhor de nós mesmos é reconhecer os erros imediatamente, fazer tudo o que pudermos para desfazer o mal, confessar o mal para a pessoa ou em oração e continuar tentando. Meu batismo não me fez sentir como uma princesa magnífica e sublime, ele me fez sentir elevada e extraordinária. Eu sabia que estava no caminho certo, e foi um sentimento muito bom.

O que o ajudou a ter mais harmonia em seu lar?

Descobri que tentar manter todos felizes ao mesmo tempo é muito difícil! Um lar feliz começa comigo e com meus próprios sentimentos. Não posso esperar que as crianças se deem bem, se eu estou sempre irritadiça! Assim, quando vejo que sem intenção me mostro amarga, procuro livrar-me disso sorrindo, cantando, brincando com as crianças ou pedindo a alguém que me conte sua melhor piada. Funciona mesmo! Todos gostam de uma boa piada do tipo “toc, toc”, não é? Outro segredo para um lar feliz é pensar em todas as coisas que vocês têm que os fazem felizes. Apenas comece a enumerá-las. Sou feliz por TER um lar! Pode ser bem básico assim. Ser feliz e ter um lar harmonioso é uma atitude escolhida. Você pode fazer isso, e vale a pena.

Como vivo minha fé

Ser mórmon significa que vivo diariamente minha fé, em tudo o que faço. Minha espiritualidade não é uma coisa separada de quem eu sou. Minha fé faz parte de quem eu realmente sou. Fiz a promessa de procurar ser a melhor versão de mim mesma que posso ser. Isso significa que procuro maneiras de ajudar os outros e de ser uma amiga. Tento ser a mais sincera possível. Esforço-me ao máximo para seguir o exemplo de Jesus e amar as pessoas. Passo um tempo todo mês indo à casa de outras pessoas que frequentam as reuniões de domingo em minha igreja local. Podemos falar sobre Jesus e conversar umas com as outras sobre coisas cotidianas, como a criação dos filhos, a ida ao trabalho e o passeio com o cachorro. Vivo minha fé, lendo o Livro de Mórmon todos os dias e orando ao longo do dia. Vivo minha fé lembrando as promessas que fiz a Deus no dia em que fui batizada e colocando essas promessas em prática.